Ao estilo de Vanessa

por , 20 Maio, 2019

Não é atriz, nem modelo, nem blogger. Assume-se como influenciadora digital e tem uma loja online, associada ao seu site de lifestyle, “Frederica”. Aos 32 anos de idade, Vanessa Martins respondeu às nossas perguntas sobre moda, viagens, botox e as sobremesas do marido, o pasteleiro Marco Costa.

por: Xavier Pereira

CRISTINA – Em três palavras, como descreves o site Frederica?

Vanessa Martins – Feminino, atual e rápido.

C.– Cansaste-te do formato de blogue?

 V.M. – Sim, eu nunca me senti uma verdadeira blogger. Gosto de comunicar, mas, quando tinha de passar a minha experiência ou opinião no blogue, ficava com preguiça. Através das redes sociais, fazia o mesmo e de forma mais rápida e direta. A verdade é que sempre quis tornar a Frederica num site de lifestyle feminino, e tinha de começar por algum lado. Sinto que foi um percurso natural para chegar onde estou agora.

C.– Daqui a três anos, o que podemos esperar deste site?

 V.M. – Que tenha crescido três vezes mais e que se torne um site de confiança para as mulheres.

C.– E da Vanessa Martins?

 V.M. – Eu irei continuar à procura de mais emoção diária, que me faça acordar de manhã e viver. Se calhar, já terei um filho, não sei.

C.– Quando tens de te apresentar a alguém que não sabe nada sobre ti, o que dizes?

 V.M. – Que sou influenciadora digital, que comunico marcas. Esta pergunta de “o que é que eu faço” é muito comum, até para quem me conhece. “Afinal, o que fazes tu?” É difícil as pessoas entenderem ou verem como profissão. São profissões novas que surgiram com o aparecimento das redes sociais. Tal como algumas profissões também deixaram de existir. Chama-se a isso evolução, e muitas pessoas ainda ficaram lá atrás. Usam o Facebook, mas não sabem nada sobre ele.

C.– Além de influenciadora, também és empresária. Se não fosses, e só pudesses ter uma destas três profissões, qual escolhias: atriz, modelo ou blogger?

 V.M. – Atriz. Porque poderia ser várias coisas, ao interpretar um papel.

C.– Qual a razão para que as pessoas resistam a identificar-te como empresária?

 V.M. – Não sei. Existe uma resistência em me chamarem empresária e em deixarem de me chamar atriz. Não trabalho como atriz há nove anos. A minha vida mudou imenso e lutei por outros objetivos, mas, para a imprensa, ainda sou atriz. Ou ex-modelo. Eu nunca fui modelo. Acho que reflete um pouco a pergunta anterior. Como não percebem a minha profissão, é mais fácil chamar atriz.


Leia o questionário completo a
na revista CRISTINA já nas bancas.

  • Comentários

    Artigos relacionados