As Filhas da Mãe | O velho amigo Natal

por , 21 Dezembro, 2017

Estou inserida naquele conjunto lixado, ou que se lixou, das pessoas que não adoram o Natal.

Por: Isabel Saldanha

Não estou na bolha dos ressabiados. Já rasguei o celofane e ocupei o meu lugar limpinho no lado de cá. Não sou das que ficam a vociferar contra o Natal. Mas tenho uma compreensão especial por quem o faz, porque a experiência de um Natal infeliz marca muito.
Institucionalizou-se que ninguém podia ser infeliz no Natal. Porque também se institucionalizou que todos estamos mais sensíveis para com a infelicidade alheia. Há uma semi responsabilidade assumida, que todos devemos ser atentos aos outros, generosos com as grandes causas sociais, aumentando as esmolas e as contribuições, e quem sabe, até, fazer um bocadinho de voluntariado.
Passo o Natal sem embaraço, a hora não muda quando nos convém. Compro os presentes e os doces, encho a casa de cheiros e luzes vermelhas e douradas. Tenho uma árvore gigante e um conjunto de bolas e fitas que nunca sei onde hei-de encaixar. Mas que se arruma, como arrumo o Natal todos os anos.

Leia a crónica completa na edição deste mês disponível
na app CRISTINA M (IOS OU ANDROID)

  • Comentários

    Artigos relacionados