O cromossoma do amor

por , 18 Dezembro, 2017

A CRISTINA deste mês tem um conjunto de reportagens sobre Trissomia 21. Na nossa revista poderá ficar a saber mais sobre como é vivida a diferença no seio da família de Bibá Pitta, damos-lhe, também, a conhecer casos de sucesso de quem ultrapassou as dificuldades e superou as expectativas, além de uma sequência de fotografias que transbordam ternura. Entretanto, fique, aqui, a saber mais sobre aquele que é chamado de cromossoma do amor.

Por: Xavier Pereira

Nascem menos bebés com este distúrbio genético

Trissomia 21 ou Síndrome de Down é uma condição genética causada por uma alteração no número de cromossomas 21, que faz com que as pessoas portadoras da síndrome possuam três cópias do cromossoma 21, ao invés de duas. Em Portugal, os últimos dados conhecidos são de 2013 e revelam que, um em cada 800 bebés, nascia com Trissomia 21. Estima-se que quando a síndrome é detetada nos fetos, 95% dos pais optem por uma interrupção voluntária da gravidez. Os profissionais de saúde sublinham que não existem estatísticas oficiais, mas confrmam a “perceção” de que existem cada vez menos nascimentos de crianças com Síndrome de Down.

Hoje em dia, existem várias terapias destinadas a crianças e jovens portadoras de Trissomia 21. Nos centros sociais, juntas de freguesia ou agrupamentos escolares, é habitual existir informação sobre as unidades que, nas proximidades, prestam este tipo de serviço. Em muitos casos, existem acordos com o Estado, através do Instituto de Segurança Social, pelo que algumas terapias são comparticipadas. Além desse aspeto e do acompanhamento médico regular, os especialistas alertam para a necessidade de se olhar para uma criança com Síndrome de Down como se olha para qualquer outra: com amor, com dedicação e com a certeza de que o adulto é preciso para lhe facilitar a vida.

 

Conheça, na edição deste mês, Inês Vigário, Leonor Belo, Paulo André e Rafael Guerreiro. Casos que surpreenderam até a própria família, pela forma como se integraram numa sociedade tem de começar a olhar para eles de maneira diferente.

  • Comentários

    Artigos relacionados