Dr. Hugo Madeira | Escolher o Luxo

por , 26 Dezembro, 2018

Hoje, numa breve pausa entre consultas, dei-me ao luxo de me sentar uns minutos na sala de espera da clínica, enquanto aguardava pelo paciente que chegaria de seguida. “Dei-me ao luxo”, ora aqui está uma expressão que pode ser usada nos mais diversos contextos, pois o que para uns é luxo, para outros pode ser apenas básico.

Hugo Madeira

Para mim, foi um luxo ter aqueles minutos entre consultas; raramente acontece e foi bastante prazeroso, sobretudo por isso, por ser raro e por ter alterado a minha disposição para o resto do dia. Então, estará o luxo sujeito a interpretação? Ou para ser luxo tem, obrigatoriamente, de ser caro, vistoso e exagerado?

Na minha clínica, cada paciente é recebido de forma especial. Desde o primeiro contacto e em cada visita, tratamos quem nos visita com respeito e boa-disposição; para muitos, este é um tratamento básico da boa-educação; para outros, será um luxo. A sala de espera podia ter apenas cadeiras brancas de plástico, mas, ao invés disso, foi decorada ao pormenor pela minha mãe, como se de uma sala de estar se tratasse: tem sofás, tapetes, quadros, ar condicionado, luz natural… no fundo, tem conforto onde muitos verão luxo. A clínica está localizada no Saldanha, em Lisboa, uma zona onde se pode chegar a pé, de carro, de metro e de autocarro; há comércio por perto e hotéis, para quem nos visita vindo de longe; detalhes pensados para garantir a acessibilidade; para muitos, apenas luxos.


Leia o artigo completo na edição deste mês nas bancas
ou na app CRISTINA M (IOS OU ANDROID)

  • Comentários

    Artigos relacionados