Mulheres na política

por , 12 Setembro, 2017

Assunção Cristas e Teresa Leal Coelho são candidatas à Câmara Municipal de Lisboa. Se as diferenças partidárias as afastam, há outros pontos que as aproximam, tal como se nota nas entrevistas que ambas protagonizam na edição deste mês da revista CRISTINA.

 

Por Xavier Pereira

Assunção Cristas chegou tarde à política. Tinha 32 anos quando entrou para o CDS, a convite de Paulo Portas. Na altura, avisou o ex-líder centrista de que entrava à experiência. Foi ficando. Já foi deputada na Assembleia da República, Ministra da Agricultura e do Mar, é a atual líder do Partido Popular e candidata à autarquia da capital. Na entrevista que deu à CRISTINA, explica que a candidatura a que dá corpo representa a chegada àquilo que mais a motiva na política: a proximidade que só o poder local consegue ter. Na conversa tida com a jornalista Patrícia Reis, houve ainda espaço para confidências sobre a vida familiar que Assunção sempre privilegiou.

 

 

 

 

 

 

 

Teresa Leal Coelho candidatou-se a deputada pelo PSD, em 2011. Desde então, não mais parou. Mulher de um embaixador, está habituada a fazer muitas viagens para garantir o tempo em família de que precisa. O diplomata está colocado em Madrid e o filho, com 12 anos de idade, é lá que vive. Nos tempos da governação de Passos Coelho, foi, muitas vezes, a portadora de más notícias para os portugueses. Por isso, confessa que deixou de sair à rua com o filho para evitar qualquer confronto. Uma das bandeiras do seu discurso é a valorização da mulher e, na entrevista dada à CRISTINA deste mês, confessa que as deputadas se dão todas bem, independentemente dos partidos que representam.

 

 

 

 

A caminho de mais um ato eleitoral, as duas candidatas à autarquia da capital, falam sobre o percurso, a família e a vontade de chegar à presidência da Câmara Municipal de Lisboa.

Leia as duas entrevistas na edição de setembro já nas bancas
ou na app CRISTINA M (IOS ou ANDROID)

  • Comentários

    Artigos relacionados