Namorar Portugal – As mensagens de amor que encantam o mundo

por , 4 Julho, 2018

A partir dos Lenços de Amor, símbolo cultural do município de Vila Verde, foi criada a marca Namorar Portugal, uma reinterpretação da simbologia patente nas escritas de amor dos Lenços, e um veículo de partilha e conhecimento desta herança cultural, através do artesanato, da moda e do design. E porque acredita em finais felizes, toda a coleção é pensada com muito amor.

Por Júlia Oliveira

Inspirada nos lenços dos namorados de Vila Verde, a marca Namorarte foi criada em 2011, para perpetuar o amor e a tradição nos sapatos que usamos. Os sapatos são criados para constituir muito mais que um acessório. Cada par tem uma identidade própria e cada modelo possui o nome de uma flor. São feitos com amor, pelas mãos dos mestres sapateiros portugueses, e transformam os sentimentos num calçado que irá caminhar consigo. A marca tem um serviço de personalização, através do qual se é possível construir os sapatos de sonho de cada cliente. Pode obter informações através do site.

Verónica Teixeira criou o bouquet inspirado nos Lenços do Amor. Um bouquet redondo Hand-Tied estilo campestre, com uma paleta de cores de verão. Foi pensado para noivas contemporâneas e descontraídas. As flores utilizadas remetem para a flora que encontramos, habitualmente, nos campos de cultivo e é como se tivéssemos apanhado e levado para casa um molho de flores silvestres. Pelo meio encontramos um coração e uma chave (tantas vezes representados nos lenços), remetendo para os encontros furtivos que as moças tinham com os seus pretendentes, debaixo de um quente e convidativo sol de verão. Para mais informações, consulte o site.

Em corte princesa, os vestidos True Love são construídos a partir do lenço Namorar Portugal.  Feitos à mão e inspirados nas cores dos lenços, cada um destes vestidos conta a história de um amor. Existe o amor amarelo, o verde, o vermelho, o azul e o laranja. Inteiramente personalizados, são feitos à medida de cada um, e primam pela exclusividade da “estória” contada.

 

 

 

 

  • Comentários

    Artigos relacionados