Nós e os outros – a traição consentida

por , 27 Junho, 2019

Alexandra foi traída ainda antes de casar. Perdoou, e permitiu que o mesmo se repetisse durante quase dez anos. O casal Joana e Luis têm relações sexuais com outras pessoas. Traição ou liberdade sexual? Eles respondem.

por MARGARIDA MENINO FERREIRA

“Durante anos, eu partilhei o meu marido”

Alexandra Tavares, 41 anos, empresária

Casei quando tinha 19 anos de idade. Eu e o Filipe namorávamos desde os nossos 15 anos. Ele era jogador de futebol e ia ser transferido do Futebol Clube do Porto para o Futebol Clube de Famalicão, e os meus pais não aceitavam que eu fosse com ele. Por isso, decidimos casar, para eu poder ir com ele. Mas, ainda antes de casarmos, houve uma primeira traição.

A um dos convites de casamento que enviei recebi uma resposta que dizia “Olá Mónica. Aceito sim o convite, porque quero ir ver o tamanho dos teus cornos a entrar na igreja”. Ainda hoje tenho a carta. Confrontei-o e ele admitiu que me tinha traído com aquela mulher. Estive para não casar, mas o amor e a paixão falaram mais alto. Ainda assim, sei que ele manteve uma relação com ela por mais algum tempo, mas eu fingia que não sabia.

A nossa filha mais velha nasceu no ano a seguir ao casamento. Na altura, eu costumava ir ver os jogos dele, e encontrávamo-nos com os nossos amigos e outros jogadores, sempre nos mesmos sítios. Nunca percebi que ele andava envolvido com uma rapariga que frequentava o mesmo grupo e os mesmos sítios que nós, até uma amiga me chamar a atenção. Aí sim, comecei a aperceber-me dos olhares, dos códigos entre eles. Fui analisando durante algum tempo, até que não aguentei e confrontei-os. Era verdade, eles tinham um caso. Saí de casa com as minhas filhas e fui para casa dos meus pais, durante um mês. Depois perdoei e voltei. Acreditei que a situação tivesse terminado por ali. Mas não. Foi um sofrimento imenso, fingir que não me apercebia, mas uma mulher sente. Nós eramos felizes, dávamo-nos bem, fazíamos amor… Mas eu sabia que ela existia, e que ele ainda estava com ela.

Esta situação durou dois anos. Houve ainda outras situações, que eu fui descobrindo e perdoando.


Leia outros testemunhos na revista CRISTINA já nas bancas
ou na app CRISTINA M.

  • Comentários

    Artigos relacionados