Nutrição | O açúcar envelhece?

por , 17 Maio, 2018

Usamos cremes, fazemos tratamentos e recorremos a muitas outras opções, para nos vermos livres das primeiras rugas. E se lhe disséssemos que, para as adiar, só precisa de mudar a sua alimentação?

Por: Margarida Menino Ferreira

O maior inimigo é o açúcar. É verdade: o açúcar envelhece. A começar pela pele, passando por todos os outros órgãos, e terminando nos ossos, o açúcar prejudica todo o nosso organismo. O processo chama-se glicação, e consiste na junção do açúcar às proteínas que compõem o nosso organismo: “o açúcar, quando não é logo utilizado, começa a caramelizar, ou seja, junta-se às proteínas nobres, como o colagénio e a elastina, que são responsáveis pela firmeza e elasticidade dos nossos tecidos”, explica o Dr. Luís Romariz, médico especialista em medicina antienvelhecimento. As proteínas, nomeadamente o colagénio, a elastina e a hemoglobina, estão presentes na nossa pele, nas artérias, nos músculos e nos ossos. Quando ingerimos açúcar, aceleramos o processo de glicação e, em consequência, alteramos a matriz proteica do nosso organismo. Os primeiros sinais deste processo detetam-se na pele. A deterioração acelerada da elastina e do colagénio, que suportam a pele, provoca rugas, perda de tonicidade e manchas. Além disso, sempre que a glicose é consumida, em excesso, diminui a produção da hormona do crescimento, que é também responsável pela regeneração celular. Além da nossa aparência, “a nível físico, [o açúcar] provoca diabetes, obesidade e neoplasias, dado que as células cancerígenas se alimentam de açúcar. Altera a flora intestinal, porque aumenta o número de bactérias patológicas, diminui as que nos são benéficas e provoca problemas cardíacos, porque o açúcar tende a acumular-se à volta das artérias, diminuindo a circulação de sangue”. É o que explica Sónia Marcelo, dietista e autora do livro Guerra ao Açúcar, a qual considera que o açúcar envelhece o organismo e, por isso, “é importante habituar o nosso paladar a alimentos menos doces”.

Leia o artigo completo na edição deste mês nas bancas
ou na app CRISTINA M (IOS ou ANDROID)

  • Comentários

    Artigos relacionados