O Tamanho Conta: Cirurgia de Aumento de Pénis

por , 25 Agosto, 2018

Cada vez mais homens recorrem à cirurgia estética genital, com o objetivo de melhorar a aparência dos seus órgãos sexuais e, com isso, melhorar a sua autoimagem e autoestima.

POR Alice Varanda Pereira, Cirurgiã Plástica Reconstrutiva e Estética

 

A preocupação com o tamanho do pénis está longe de ser recente. Uma série de estereótipos, transversais a várias culturas e épocas, associam o tamanho do pénis a virilidade, dominância e poder. Existem muitos relatos históricos que fazem referência a técnicas variadas de ampliação peniana, utilizando desde pesos a veneno de cobra. O pénis grande, como símbolo de masculinidade, é hoje amplamente difundido pelos meios de comunicação social, indústria cinematográfica e pornografia.

Curiosamente, o pénis de grande parte dos homens, que pretendem o aumento, tem um tamanho perfeitamente normal, mas os mesmos podem sofrer do chamado “Síndrome do Pénis Pequeno”. Esta condição clínica, também designada por “Síndrome do Balneário”, representa uma preocupação excessiva com o tamanho do pénis que, embora seja normal, é visto pelo próprio como demasiado pequeno ou menor que o dos outros homens.

A preocupação com a aparência genital é única, em comparação com a restante aparência física porque, habitualmente, esta zona só é exposta em situações de intimidade. Contrariamente ao veiculado em mitos populares, não é possível prever o tamanho do pénis através de indicadores externos como altura, tamanho do pé ou peso do indivíduo.

A cirurgia de aumento do pénis destina-se unicamente, como o nome indica, a aumentar o seu comprimento, a largura ou ambos, por motivos estéticos. Não tem como objetivo corrigir alterações de origem hormonal ou congénita, como os micropénis. Também não trata problemas relacionados com as suas funções urinária ou de ejaculação.

No entanto, esta cirurgia pode melhorar a função sexual em homens com baixa autoimagem, confiança sexual diminuída ou ansiedade, em relação à resposta da parceira ou do parceiro, perante a exposição do seu corpo.

 


Leia o artigo completo na edição nas bancas
ou na app CRISTINA M (IOS OU ANDROID).

  • Comentários

    Artigos relacionados