Pergunte ao Dr. Quintino

por , 18 Janeiro, 2018

Escreva ao Dr. Quintino. Ele responde!

Gostava de saber a sua opinião sobre os desejos e projetos que muitas pessoas fazem sempre que começa um ano novo. Eu e a minha família todos os anos comemos as 12 passas) e por cada uma imaginamos um desejo, que é sempre um desejo ou uma intenção de alguma coisa nova e melhor para as nossas vidas. Mas depois nada muda, e, com uma ou outra exceção, que muito provavelmente acontece por acaso, ao longo do ano esquecemo-nos desses desejos até à noite de ano novo seguinte, quando, quase sempre, pedimos outra vez os mesmos desejos. Porque é que isso acontece? Ou não tem qualquer importância e o que conta mesmo é que naquela noite estamos felizes e a celebrar o novo ano? Um beijinho para si e votos de um excelente ano de 2018.- Sandra Lucas

 

Minha querida Sandra. É verdade que muito do que dizemos serve apenas para manter a nossa mente ativa, para continuarmos tradições que transmitem muitas outras ideias, e que na realidade são a nossa cultura. Se servir apenas para celebrar alguma coisa e para festejar com amigos e familiares, como escreve, já me parece muito bem. Imaginar coisas boas para as nossas vidas é uma excelente maneira de aumentar a nossa alegria, através da esperança que se apodera de nós. Mas os desejos, tão tradicionais nessa noite, podem ser muito mais. Tal como diz, o mais comum é que no ano seguinte as pessoas tenham novamente os mesmos desejos ou assumam os mesmos compromissos, e que nada mude. E aqui acho que podíamos fazer algo diferente. A vida é muito curta, talvez uns noventa anos ainda com alguma qualidade, tempo que passa muito depressa. E a sorte, pelo menos é o que eu penso, somos nós quem a faz, mas apenas se nos pusermos em marcha para tornar real o que desejamos. Então os desejos e votos de ano novo poderiam ser mais do que um festejo; poderiam ser uma alavanca para cada um de nós aproveitar mais a vida, concretizando desejos e avançando com projetos.- Dr. Quintino

Leia a crónica do Dr. Quintino na íntegra na edição deste mês, nas bancas ou na app CRISTINA M.

Escreva ao Dr. Quintino através do endereço de e-mail redacao@revistacristina.com

  • Comentários

    Artigos relacionados