Viver com a sogra

por , 17 Janeiro, 2019

É uma figura temida por muitos homens e mulheres, mas, como em tudo, há exceções. É o caso de Andreia Silva e Eduardo Jorge.

POR XAVIER PEREIRA | FOTOGRAFIA JOÃO PAULO | MAQUILHAGEM E CABELOS TATIANA CRUZ | AGRADECIMENTO AJ NAVALHO

 

Andreia Silva & Maria de Lourdes Coragem

A relação de Andreia e Maria de Lourdes foi crescendo. “Quando comecei a namorar com o Vítor, fui aparecendo cá em casa. Nessa altura, fomo-nos dando sempre bem”, diz a nora. Enquanto a conversa com a CRISTINA decorre, as duas riem-se e mostram-se cúmplices. Completam as frases uma da outra e partilham dos mesmos pontos de vista. Sente-se um carinho grande.

“Ao início, a Andreia vinha só passar uns fins de semana; depois, foi ficando”, refere a sogra. Oficialmente, moram juntas há um ano. “O Vítor e eu estávamos a pensar comprar casa. Nesse processo, percebemos que esta é muito grande e tínhamos o espaço de que precisávamos aqui”. Decidiram ficar e, até agora, não há arrependimentos.

Quando lhes perguntamos como tem sido a convivência, atropelam-se na resposta. “Tem sido bom, tenho com quem me entreter e, assim, não estou sozinha em casa”, afirma Maria de Lourdes. Aos 61 anos de idade, é assistente pessoal.

Eduardo Jorge & Ludovina

Separam-nos 29 anos. Jorge, como é conhecido, tem 55 anos de idade. Ludovina, 84. Vivem juntos há cinco. “A minha sogra começou a ter alguns problemas com o marido e a minha mulher decidiu trazê-la para a nossa casa. Eu, como é óbvio, concordei”, começa por contar o encarregado de uma empresa de construção civil. A relação diária, desde logo, fluiu de forma muito tranquila. Hoje em dia não é diferente, mesmo depois de uma mudança drástica na vida da família.

“A minha esposa faleceu há dois anos, com um tumor na cabeça. Foi muito difícil para todos, mas, mesmo assim, a minha sogra não deixou de viver comigo”, explica Jorge.

 


Leia os testemunhos na íntegra, na revista CRISTINA nas bancas
ou na app CRISTINA M.

  • Comentários

    Artigos relacionados